Útero da Terra em Chamas - Rafa Na Raça



O Poema(Útero da Terra); nasce do caos interno do poeta, a relação com a mãe é conturbada e lamentavelmente repleta de enganos, mágoas e mal entendidos. Porém; o amor de mãe, foi tudo o que o poeta pôde receber durante toda vida e (esse), que é incondicional e absurdo aparece com muita verdade no trecho do poema:(O melhor de mim), na página 7 do livro Perplexía citado abaixo.


-Contrasta minha raiva com amor incondicional absurdo!


Nesse mesmo poema da obra Perplexía, também é possível identificar a (Ânsia) do poeta em expressar e anunciar ao mundo todo o amor que recebeu de sua mãe, numa tentativa de certo modo desesperada e urgente de dizer ao mundo o que em pouquíssimos momentos teve a oportunidade de dizer a sua mãe e nem sempre disse com palavras, que o medo de perder o amor da mãe é quase tão grande quanto perder a própria mãe, mensagem que fica bem presente no trecho que diz:


-Aquela índia linda, infinita e brava; Ah! Naquela sala (grita, gritava e alarma): Até hoje me fala para que melhore minhas falhas... Perceba como a ação da mãe se mistura ao presente, passado e ao exato momento da reflexão proposta pela voz poética.


-Até hoje me fala: Para que o filho melhore, corrija as próprias falhas... Outro salve' muito importante, vem acompanhado de mesma profundidade e é repleto de afetividade também.


-Daquela alma índia a vida é rara e nada apaga meu amor por ela, absolutamente nada paga ter minha mãe por perto... Ou seja; a mãe ainda vive e convive com o filho, felizmente não fez a passagem para o plano espiritual, ainda não encantou e portanto; há esperança nessa relação, o mesmo acontece em relação a ancestralidade do poeta, pois a mãe representa seu único elo com essa memória, elo presente na frase: (Daquela alma índia a vida é rara e nada apaga meu amor por ela...)


A voz poética se refere ao apagamento histórico vivenciado por ela e consequentemente por ele, em sua eterna busca pela ancestralidade indígena e que é também a busca pelo afeto de (pai) em sua relação com a mãe. Existem dois importantíssimos conceitos nesse único poema e que é complementado pelo poema: Útero da Terra em chamas;


[A busca pela ancestralidade e a reconciliação com a mãe ou re-conexão com a Terra]. Tanto o primeiro viés quanto o segundo, tratam questões extremamente urgentes e aí está a grande batalha travada pelo autor de Perplexía.


A obra que também é um importante documento da vida do artista, revela mais que sua incansável busca por identidade, revela principalmente aquilo que a voz poética chama de brasil-navalha; sua luta nasce exatamente nesse termo e é aqui onde tudo que construiu ganha significado.


O Útero em chamas, surge depois de seu primeiro contato com a obra: (Ñanderetá); contos inspirados na história, cultura e mitologia do Povo Xetá, sociologia xetá redigida pelo escritor, antropólogo e historiador maringaense Wagner


Djagoj1 Candido. Relatos de cinco irmãos desse povo originário natural da região norte do Paraná, sobreviventes do massacre que aconteceu contra esse povo na região do Rio Ivaí.


1- Djagoj- significa menino na língua xetá. Dados internacionais de catalogação na publicação(CIP) Biblioteca Central-UEM-Maringá, Paraná, Brasil/impresso no Brasil 2017/Primeira edição, coleção memória xetá.


- Ficha técnica Produção e edição áudio visual: Alex Rocha/@alexrocha_fotografia

Poema: Útero da Terra em chamas

Autor: Rafael Ferreira Vieira/@rafanaraca

Interpretação: Rafael Ferreira Vieira

9 de jun. de 2021Imersão no Útero da Terra