Nicolás Maduro: Carta aberta ao povo dos Estados Unidos

February 8, 2019

 

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, apresentou nesta quinta-feira (7) a carta que vai enviar à Casa Branca como forma de rejeitar a ingerência dos Estados Unidos contra a Venezuela.

 

Na Praça Bolívar, em Caracas, o chefe de Estado também assinou o documento, subscrito por cerca de 10 milhões de venezuelanos.

 

“Assino pela paz, pela soberania sagrada da Venezuela em apoio ao direito à independência, à autodeterminação do povo da Venezuela”, disse Maduro.

Se eu sei de alguma coisa, é sobre pessoas, como você, eu sou um homem do povo. Eu nasci e cresci em um bairro pobre de Caracas. Forjei-me no calor das lutas populares e sindicais em uma Venezuela submersa na exclusão e na desigualdade.

 

Eu não sou um magnata, sou um trabalhador de razão e coração, hoje tenho o grande privilégio de presidir a nova Venezuela, enraizada em um modelo de desenvolvimento inclusivo e igualdade social, que foi forjado pelo Comandante Hugo Chávez desde 1998 inspirado por o legado Bolivariano.

 

Vivemos hoje um transe histórico. Há dias que definirão o futuro de nossos países entre guerra e paz. Seus representantes nacionais de Washington querem trazer para suas fronteiras o mesmo ódio que eles plantaram no Vietnã. Eles querem invadir e intervir na Venezuela - eles dizem, como eles disseram então - em nome da democracia e da liberdade. Mas não é assim. A história da usurpação do poder na Venezuela é tão falsa quanto as armas de destruição em massa no Iraque. É um caso falso, mas pode ter consequências dramáticas para toda a nossa região.

A Venezuela é um país que, em virtude de sua Constituição de 1999, expandiu amplamente a democracia participativa e protagonista do povo, e que hoje é inédita como um dos países com maior número de processos eleitorais nos últimos 20 anos. Você pode não gostar da nossa ideologia ou da nossa aparência, mas nós existimos e somos milhões.

 

Dirijo estas palavras ao povo dos Estados Unidos da América para alertar sobre a gravidade e o perigo que alguns setores da Casa Branca pretendem invadir a Venezuela com consequências imprevisíveis para o meu país e para toda a região americana. O presidente Donald Trump também pretende perturbar as iniciativas de diálogo nobres promovidas pelo Uruguai e pelo México com o apoio da CARICOM para uma solução pacífica e um diálogo em favor da Venezuela. Sabemos que, para o bem da Venezuela, temos de nos sentar e conversar, porque recusar o diálogo é escolher a força como um caminho. Tenha em mente as palavras de John F. Kennedy: “Jamais negociamos por medo. Mas nunca tenhamos medo de negociar ”.

 

São aqueles que não querem dialogar com medo da verdade?

 

A intolerância política em relação ao modelo Bolivariano venezuelano e os desejos por nossos imensos recursos petrolíferos, minerais e outras grandes riquezas, levou uma coalizão internacional liderada pelo governo dos EUA a cometer a séria insanidade de atacar militarmente a Venezuela sob a falsa desculpa de um crise humanitária existente.

 

O povo da Venezuela sofreu dolorosamente feridas sociais causadas por um bloqueio comercial e financeiro criminoso, que foi agravado pela desapropriação e roubo de nossos recursos financeiros e ativos em países alinhados com este ataque demente.

 

E ainda assim, graças a um novo sistema de proteção social, de atenção direta aos setores mais vulneráveis, orgulhosamente continuamos a ser um país com um alto índice de desenvolvimento humano e baixa desigualdade nas Américas.

O povo americano deve saber que esta complexa e multiforme agressão é realizada com total impunidade e em clara violação da Carta das Nações Unidas, que expressamente proíbe a ameaça ou o uso da força, entre outros princípios e propósitos em prol da paz e da paz. relações amigáveis ​​entre as nações.

Queremos continuar sendo parceiros de negócios do povo dos Estados Unidos, como temos feito ao longo da nossa história. Seus políticos em Washington, por outro lado, estão dispostos a enviar seus filhos e filhas para morrer em uma guerra absurda, em vez de respeitar o direito sagrado do povo venezuelano à autodeterminação e à salvaguarda de sua soberania.

 

 

Como você, povo dos Estados Unidos, nós, venezuelanos, somos patriotas. E nós defenderemos nossa pátria com todos os pedaços de nossa alma.

 

Hoje a Venezuela está unida em um único clamor: exigimos a cessação da agressão que busca sufocar nossa economia e sufocar socialmente nosso povo, bem como a cessação das sérias e perigosas ameaças de intervenção militar contra a Venezuela.

 

Apelamos à boa alma da sociedade americana, vítima de seus próprios líderes, para se unirem ao nosso chamado pela paz, que sejamos todos um só povo contra a guerra e a guerra.

 

Viva os povos da América!

 

Nicolás Maduro

 

Presidente da República Bolivariana da Venezuela

____________________________________________________________________________________________________

Fonte:

Twitter @NicolasMaduro

“Carta Abierta al Pueblo de los EE.UU.”

Publicado  em 08/02/2019

Please reload